My Photo
Name:
Location: Porto, Portugal

Quando morrer, talvez tenha uma ideia formada sobre mim, se o destino me der esse luxo.

Monday, September 04, 2006

Amar...sempre Amar!




Amar

Às vezes Amar é verter lágrimas salgadas de fel
De um destino que julgamos ser de mel
Mas que depressa se desfez
Como a insanidade e a palidez
Dos moinhos de vento de D. Quixote,
Ou chama que se esvai do archote,
Castelos de areia levados pelas vagas,
Brancas, violentas e arqueadas
Furiosas porque destroem
Corajosas porque morrem
Sem nunca deixarem de chegar
A sua Praia, ao seu lugar,
Como o som cristalino do oboé
Dia após dia, maré após maré...

Amar são palavras revoltas
De partituras encantadas e soltas
Folhas separadas pela imaginação
E pedras esculpidas pelo coração.
Amar é perder sem esquecer
É perdoar sem magoar
É possuir sem tolher
É precisar sem esgotar
É desejar sem obcecar
É aguardar sem desesperar
É dar sem pedir e receber sem esperar.

Amar é ser belo e altivo
E no entanto, absorvente e destrutivo.
É não ter solução nem antídoto
Para a loucura sem tempo ou centímetro.
É ignorar as contra indicações
Listas de mágicas poções
Ideais ou livros de receitas
Dores, orgulhos e maleitas.

Amar é deixar de ser o “Eu”
Sem ter saudades pelo que morreu
E passar a ser o “Nós”
Dois corpos, duas mentes, e duas almas
Que se transportam com uma só voz.
Orquestra de instrumentos vários e errantes
Donde saem sons afinados, melodiosos e tocantes.
É tocarmos onde se escondem os segredos
E deixarmo-nos tocar sem freios nem medos
Como uma criança embalada no seu berço.

Amar é saber deixar e largar
Quando o outro assim o desejar
É entregar-nos a alguém sem demora
Mesmo sabendo que um dia se vai embora
E que no final do amor
Haverá sempre a tristeza do perder.

Amar é nunca deixar de acreditar
Que o amanhã é sempre melhor que o hoje.
É fazer com que o presente nos encha de tal forma
Que o passado nos pareça sempre longínquo
Apenas um quadro colorido
Uma foto sorridente
De um momento fugaz e vivido
Mas que não tem a paixão
Nem a intensidade do movimento
Do pulsar irrequieto do coração
Nem da lágrima contida da emoção.

Mas Amar não é nada do que se fala ou se escreve
Porque quem ama sempre sabe de uma forma dramática
Que não conhece as palavras nem a língua que o descreve
As cartilhas dos verbos, adjectivos ou gramática.
Conhecemos o sabor do beijo
O Arrepio, a angústia e o prazer
Misturado com o alívio de nada saber
Excepto que num só se quer fundir
Porque Amar é acima de tudo... SENTIR.
Eugénio Rodrigues - 2006 (poema já publicado neste blog entretanto revisto. É um dos meus poemas mais sentidos e por isso não resisti a recoloca-lo)
Foto de Rosalina Afonso

68 Comments:

Anonymous temp_nua said...

Sem dúvida um lindo poema, o amor mais que tudo é sentir e se deixar sentir. Obrigada pela força querido, se cuida e fica bem tá.
Beijo com aroma

6:57 PM  
Blogger Ni said...

«(...)É possuir sem tolher...»

~*~

Muito belas as imagens poéticas que aqui deixaste tatuadas com este teu poema...
...
Sente-se nele toda a força da palavra 'Amar'... tão plena de contradições, de toques de seda nos afectos que transportamos na memória e no peito... que de um amor se faz leito.

Destaquei um verso: 'Possuir sem tolher'.
Grandioso, pelo Universo que abarca. Somos donos de tudo o que libertamos e prisioneiros da ausência de tudo o que pretendemos possuir, moldar.
...
Só na liberdade se ama. No respeito. No aceitar o outro exactamente como é: um ser com particularidades únicas.

Tolher alguém é cortar-lhe as asas... obrigá-lo(a) a despir a plenitude dos horizontes que todos transportamos no olhar...
... e um olhar sem horizontes é fonte de água salgada... mas nunca mar... nunca A-MAR...

...

Abraço de vento...

Ni*

8:30 PM  
Blogger Pierrot said...

Gracias Temp_nua
Não me custou nada deixar-te essas palavras de incentivo.
E que bem me souberam as tuas.
Bjos
Eugénio Rodrigues

12:44 PM  
Blogger Pierrot said...

Que bonito Ni, que bonitas são essas tuas palavras.
Sempre que me brindas com os teus comentários este "cantinho" fica mais rico!
E é tão dificil falar sobre o Amor. Não é fácil senti-lo, não é fácil viver com ele mas é bem mais complicado adjectiva-lo. para mim foi um desafio, mas acima de udo um desabafo, um grito contra aqueles que não amam, contra aqueles que desperdiçam o amor, contra aqueles que tocam nele e nem o vêem. Sem dúvida, Amar é possuir sem tolher. Ser um Só sem que deixem de ser dois.
Bjos e gracias.
Eugénio Rodrigues

12:48 PM  
Blogger MARTA said...

E, é lindo!
Sente-se aqui dentro, no coração.
Obrigada pela partilha e pela visita ao meu blog.
Espero que voltes.
Beijos e abraços
Marta

1:58 PM  
Blogger Cherry Blossom Girl said...

Amar é tudo isso e muito mais. Simplesmente divinal ler-te.
Que doce amar este amar de ti, de mim, de nós.
Um beijinho enorme e obrigada pelas tuas palavras no meu cantinho, são sp tão bonitas e cheias de sentimento.
***

1:59 PM  
Blogger Zélia said...

Encantada....

Não me ocorre dizer mais nada... ainda estou dentro do poema :)

Parabéns :)

2:21 PM  
Anonymous su said...

Amar é tantas grandes coisas que pode ser contida em tão pequenas coisas...não respeitando regras nem espaços nem tempos e a curvatura da sua intensidade esbate-se no interior das nossas almas...
xxx

Há sempre coincidências! ; )

Beijos grandes aqui da Teia.

3:28 PM  
Blogger Princesa said...

Boa Eugénio!

Nem o Pierrot clamava versos tão sábios e belos à Colombine...

Parabens, adorei a tua escrita!

Princesa

3:55 PM  
Blogger Pierrot said...

Gracias Marta.
És muito gentil sabias...!
Também eu senti este poema de uma maneira muito especial. Foi das poucas vezes que me senti verdadeiramente realizado depois de o escrever.
Bjos daqui
Eugénio

3:57 PM  
Blogger Pierrot said...

Cherry B.G., que bonito.
Fiquei enternecido com a tua apreciação.
Será que este é o Amor de todos?
Hope so...
Bjos daqui.
Eugénio

3:59 PM  
Blogger Pierrot said...

E eu tenho-te a ti Zélia, a todos no poema pois ele foi escrito para todos.
Espero que todos caibam dentro dele.
Bjos daqui e gracias pelos teus comentários.
Bjos daqui.
Eugénio

4:00 PM  
Blogger Pierrot said...

A "outra" diz que não há coincidências...
Pois eu acredito que sim, que as há.
As linhas da vida cruzam-se e afastam-se sem por vezes nada façamos, que não apenas o existir. E que coincidência bonita esta.
Quanto ao poema, saiu-me da das asas da alma...
Gracias e bjos daqui Su
Eugénio

4:03 PM  
Blogger Pierrot said...

Princesa que surpresa.
Colombine...que giro...já nem me lembrava dela.
Agora deixaste-me com uma lágrima.
Vês...o Pierrot é mesmo assim. Um sorriso e uma lágrima tão proximas.
Gracias pelos teus comentários e pelo teu animo.
Gracias por passares por este cantinho.
Bjos daqui
Eugénio

4:07 PM  
Blogger A. said...

Não poderia deixar por aqui
outras palavras...as de
F. Lourenço

"Se alguém me tivesse mostrado o futuro,decerto muitas lágrimas teriam sido evitadas.
Mas viver sem lágrimas não é viver.O sentido da montagem humana
só vem se formos ao encontro do que nos espera,na certeza de que tudo na vida tem o estigma da caducidade.
Só amar não acaba."






Lindíssimo Eugénio.

Muito Obrigada pela tua
passagem por lá.

8:45 PM  
Blogger GK said...

E podia continuar... Afinal, o tema não se esgota nunca, não é? :)

Caro Pierrot, mesmo sem etiquetas, está desafiado a apresentar-se! De preferência em verso!

;)

Bj.

3:56 AM  
Blogger Mina said...

Todos temos os nossos momentos de felicidade, amizade, amor... sofrimento. Qua amar não deveria ser sofrer, já todos o sabemos. O que custa, é fazer :)
Beijoca.

12:20 PM  
Blogger MARTA said...

E um amigo que nos faz rir e ri connosco é precioso...
Adorei o teu comentário...
Obrigada
Beijos e abraços
Marta

3:13 PM  
Blogger Nani said...

Amar... E nós que podemos amar "o nosso amor", mas também os nossos pais, os nossos filhos, os nossos amigos...

Um beijinho com muito carinho

Nani

3:25 PM  
Blogger mnemosyne said...

Amar é uma sede infinita...palavras de puro deleite...belíssimo poema :)

4:49 PM  
Blogger Acqua di Ju said...

Que Lindo!Parabéns!
um abraço,

6:08 PM  
Blogger Luigi said...

As descrições são para os que analisam, os sentimentos são para os que sentem, os que amam. ninguém ficará indiferente às tuas palavras sentidas.
Aerca do que me perguntaste. Durante quatro anos escrevi uma hoistória sobre Atlântida, "A lenda de Dolphinya" como podes ver pela imagem que tenho no meu espaço. Já nessa altura tinha ideias de escrever uma história que se relacionasse com essa mas que ocorresse muito antes no tempo. Tinha algumas ideias mas não sabia muito bem como pôr em prática. Agora sinto-me capaz de fazê-lo, porque há uma pessoa que me inspira, e então não me sinto perdido. Vou reunindo pequenas ideias, vou acrescentando aqui e ali, vou relacionando situações e personagens. É o que sair naturalmente. Para esta história do Cisne Negro tem sido diferente porque mais que nunca estou a basear-me em alguns acontecimentos verídicos muito bem camuflados numa história de fantasia.
Agradeço o elogio. Espero continuar nesta onda.

Um abraço

6:51 PM  
Blogger Bel said...

è um poema excelente, mágico. Todas as palvras têm ilusão, esperança e desejo d everacidade. A realidade é bem diferente mas como era bom se fosse assim
beijo

8:28 PM  
Blogger Miudaaa said...

Amar é simplesmente o sentimento mais nobre que o ser humano conhece...
Amar, Amar... perdidamente é algo que todos deveríamos procurar no nosso dia a dia. pois só quem ama muito, pode ser feliz.
1 beijo de miudaaa

o poema é de uma beleza e serenidade simplesmente des-lum-bran---te!!! amei.

11:58 PM  
Blogger Pierrot said...

Gracias A.
Qe palavras tão bonitas essas as tuas e obrigada por as teres escolhido para mim.
Fazem todo o sentido.
Bjos daqui.
Eugénio

1:56 PM  
Blogger Pierrot said...

Sem dúvida GK. Este tema é inesgotável. Basta imaginação, inspiração e adjectivos que iriamos por aí fora.
Ok.
Fica prometido.
No próximo repto, eu apresento-me no teu cantinho.
Bjos daqui
Eugénio

1:58 PM  
Blogger Pierrot said...

Amar é tão dificil como o descrever Mina.
Se calhar, até será mais fácil exlicar através de uma repreentação ou de um Mimo, meio a jeito de um Pierrot.
Gracias pelas tuas bonitas palavras.
Bjos daqui
Eugénio

1:59 PM  
Blogger Pierrot said...

Ora Marta, assim deixas-me corado.
Eu adoro rir e fazer rir, embora apesar de Pierrot, o meu jeio não seja muito. Só quando tropeço em mim próprio... ;-)
Gracias por passares pel meu cantinho. Continuarei a visitar-te
Bjos daqui
Eugénio

2:02 PM  
Blogger Pierrot said...

Amar é grande, é enorme a perder de vista. Amar é tudo e não é nada. É tudo o que nos rodeia e ainda assim nos pode passar invisivel...
Amar...sempre Amar.
Gracias Nani e bjos daqui
Eugénio

2:03 PM  
Blogger Pierrot said...

Mnemosyne...que surpresa boa.
És uma das mais recentes bloguistas por este cantinho e as tuas palavras não deixam de parecer eternas.
Gracias pelos encómios e bjos grandes daqui.
Eugénio

2:05 PM  
Blogger Pierrot said...

Acqua di Ju
Que prazer ver devolvida a simpatia de me visitares nest meu cantinho.
Gracias e volta sempre
Abraço
Eugenio

2:07 PM  
Blogger Pierrot said...

Pois é Luigi.
Então temos um Talkien Português.
Vai fundo amigo. Força aí porque tens imenso jeito para a "pena".
Continuarei a ler essa tua "Atlântida"...
Abraço
Eugénio

2:08 PM  
Blogger Pierrot said...

Pois era Bel, pois era.
Mas podemos sonhar não?
Podemos imaginar como seria bom viver cada uma daquelas estrofes todos os dias?
E sonhar é viver...
Bjos daqui e gracias.
Eugénio

2:09 PM  
Blogger Pierrot said...

Quer surpresa boa Miudaaa.
E logo foste aparecer num dos meus trabalhos mais "queridos".
Ainda bem que gostaste e de alguma forma mergulhaste nele.
Também é para isso que resolvi devolver-lhe a luz do dia.
Bjos daqui e gracias amiga.
Eugénio

2:10 PM  
Blogger vero said...

Querido amigo, faltam-me palavras para poder exprimir tudo o k senti ao ler tão belos comentários k deixaste no meu blog...
Como fico feliz quando sinto que existem ainda pessoas capazes de AMAR... (se é k me entendes)... capazes de entender o k escrevo e nao somente de ler o k escrevo...
Um muito obrigada pelo carinho...
Beijinhos doces***

3:20 AM  
Anonymous su said...

Então fico à espera de mais coincidências lá pelos fios da Teia...que tal deixares umas sugestões literárias?!
Um beijo cruzado entre as linhas e os fios das vidas...

3:33 AM  
Blogger GK said...

O Pierrot é sempre bem vindo no meu espaço. Mas todas estas visitas a ESTE espaço gostariam, certamente, de o conhecer melhor. Assim, porque não dedicar a próxima composição a si próprio?
;)
Está lançado o desafio...

Bj.

4:25 AM  
Anonymous Su@vissima said...

Lindo pierrot!

(Como me "visto" deste teu poema)

Conjugar o verbo Amar, é a fonte do nosso viver!

(E há sempre (A)mar, há ir...e voltar)

Um beijo saqui.

2:49 PM  
Anonymous temp_nua said...

Oi menino, to meio gripadinha, mas to melhorando, vou me animar sim tá. Logo estou de volta.
UM ótimo fim de semana.
Beijos com aroma.

7:13 PM  
Blogger Luna said...

Ainda bem que o voltaste a pôr,está soberbo,falas do verdadeiro amor que é aquele que não castra , o que é dadiva,e isso só se encontra num amor trascendental, ou em almas gémeas quando se encontram
adorei
beijinhos

8:25 PM  
Blogger Pierrot said...

Eu é que agradeço Vero.
O facto de te encontrares algures nestas palavras singelas já é uma espécie de realização para mim.
Gracias e bjos daqui.
Eugénio

4:00 PM  
Blogger Pierrot said...

Claro Su, claro.
Já por lá passei e deixei o que me ia pelas estantes.
Gracias por teres passado por cá
Bjos daqui
Eugénio

4:01 PM  
Blogger Pierrot said...

Ora essa Gk, eu é que agradeço.
Já aceitei ainda que parcialmente o teu desafio e por lá deixei algumas palavras.
Bjos daqui.
Eugénio

4:01 PM  
Blogger Pierrot said...

Ah Suavissima.
Já tinha saudades tuas sabias.
E que dom tens tu de me surpreender sempre nesses teus comentários tão sui generis.
Gracias e volta sempre.
Bjos daqui
Eugénio

4:02 PM  
Blogger Pierrot said...

As melhoras tem-nua.
Põe-te fina pois a blogosfera precisa de ti.
Bjos daqui
Eugénio

4:03 PM  
Blogger Pierrot said...

Não poderia ter dito melhor Luna.
O verdadeiro Amor é algo de transcendental, quiça utópico.
Mas porque não sonhar?
Bjos daqui
Eugénio

4:04 PM  
Anonymous su said...

Ora...porque motivo não poderia ter sido eu quem escreveu aquele texto lá na Teia?! : ) Então o que é que vês que te leva a concluir tal?! Mas obrigado na mesma pela apreciação.
Obrigado tb pela excelente participação no desafio literário. Em breve vou fazer uma lista de livros em jeito de tópico. O Principezinho é um "must"...lá leste A Andorinha Sinhá e o Gato Malhado? Também vale muito a pena! ; )
O Adeus minha concubina é maravilhoso. O meu irmão ofereceu-me esse livro no ano passado, apesar de já o conhecer há mais anos...mas eu sou assim: do jeito de coleccionar livros...e de ler e reler e reler ainda mais...

Beijos grandes...da Susana Júlio! ; ) Aqui da Teia.

7:39 PM  
Blogger Miriam5 said...

Sim amar é sem dúvida sentir. O teu texto está cheio de eufemismos, figuras de estilo que nos fazem sonhar, pensar, rever momentos passado, amar é tudo isso e muito mais.
"Amar...? eu não sei falar de amor, se soubesse calava-me e deixava-te falar por mim"
Um beijinho

8:45 PM  
Anonymous temp_nua said...

Querido amigo voltei,e voltei bem melhor. Tem post novo lá, quando puder vá me ler.
Beijos aromaticos e um ótimo domingo pra vc menino.

2:51 AM  
Blogger cinza said...

Camões também tentou... ainda bem Pierrot que admite que a pena do escritor é párua demais para tamanha tarefa...

3:19 AM  
Blogger GK said...

"...a minha consciência que me faz sentir mais do que viver"
Acho que uma consciência que faz sentir, também devia obrigar a viver intensamente... ;)

Quanto ao desafio... Uma pessoa que sabe escrever consegue dizer nada, parecendo que diz tudo... ;) E Pierrot sabe escrever...

Relativamente a Coimbra... Pois... Assim é. O Ingote é um local MUITO complicado. E Coimbra B, à noite, pela proximidade, também.
A Sé Velha continua cheia de vida, com os eventuais bares a darem cabo da paz dos habitantes... LOL

Bj.

3:50 AM  
Blogger alfazema said...

É lindo, lindo,lindo!
Grande Poeta! As imagens que visionamos, as sensações por que passamos são de rara beleza.
Parabéns, Eugénio!
Beijinhos

3:42 PM  
Blogger saKuraBunekOlaNdi@ said...

Não coNhecia e digote já


amei... amei ler.. amei...sentir!!!!Tudo isto...

linda imagem.
Fiquei fascinada c este poema... que eide vir aqui muitas x lê-lo...

Purple Kiss

Sakura

9:45 PM  
Blogger lisa said...

Lindo o teu poema.
O amor é tudo isso, sem dúvida e ainda bem que amamos.

:-)

Beijo.

10:41 AM  
Blogger Dafne said...

Caro Eugénio
Fiquei sem palavras....
Um beijo,
Dafne

11:46 AM  
Anonymous Anonymous said...

Show o seu blog... achei ele no blog aromas e sabores... boa semana pra vc
Beijos



http://avassaladoraportudo.zip.net/

1:11 PM  
Blogger Pierrot said...

Ai Su, Deus ma livre de duvidar do teu dom de escrever da forma que escreves. A minha interrogação foi mais uma exclamação retórica, ou seja, um sinal de profunda admiração pela forma e pelo que escreves.
Lêas minhas palavras como elogios... ;-)
Quanto ao Principezinho, adorei essas personagens mas a que me partiu de cima a baixo foi a raposa. "Tu tornas-te eternamente responsável por aquilo que cativas"...
Louco louco louco mesmo!
Sobre o Adeus minha concubina, mais do que ficar chocado por vezes com as relações entre os Homens, foi constatar o delicioso retrato social da China no seculo 20. Brutal mesmo...
Susana Júlio, volta sempre, faço questão!
Bjos daqui
Eugénio

1:38 PM  
Blogger Pierrot said...

Temp_nua, irei ler-te sem falta.
E gracias por teres passado por cá.
Bjos daqui
Eugénio

1:38 PM  
Blogger Pierrot said...

Miriam5, assim fazes-me corar carambas.
Eu falar por ti... logo por ti que escreves tão bem, que espelhas tão bem os sentimentos no "papel".
Gracias pelos elogios. Fiquei verdadeiramente desconcertado.
Bjos daqui e volta sempre.
Eugénio

1:40 PM  
Blogger Pierrot said...

Sem dúvida Cinza, sem dúvida.
E que comparação tão elogiosa para mim. Fiquei enternecido.
Acredito que jamais conseguirei ser um escritor, e muito menos sobre o Amor. Quando muito, alguém que gosta de observar.
Lindo, gostei.
Bjos daqui
Eugénio

1:42 PM  
Blogger Pierrot said...

Fantástico GK.
Em quatro frase, disseste tanta, mas tanta coisa.
Gracias pelos elogios, e gracias por me dares um pouco da minha querida terra, Coimbra.
Gosto de saber novas dela.
E Sé Velha, cheia de bares!!!!
Mein Gott, como as coisas mudam.
Foi lá que eu nasci carambas...mas deixa lá que eu até gosto muito de bares ehehe!
BJos daqui
Eugénio

1:45 PM  
Blogger Pierrot said...

Gracias Alfazema.
E se me dizes que te ajudei a repassar algumas sensações, então já fico muito feliz. É sinal que fiz bem em tirar este poema do "poço".
Bjos daqui e volta sempre
Eugénio

1:46 PM  
Blogger Pierrot said...

Sakura.
Que bom ver-te por cá.
Gracias pelos elogios e por saber que o adoptaste também para ti.
Giro isso sabias. Pensei que ninguém faria isso comigo...que era só e que fazia com os outros.
Bjos daqui volta sempre.
Eugénio

1:47 PM  
Blogger Pierrot said...

Lisa, gracias.
É verdade, ainda bem que amamos, que amámos um dia, ou que amaremos, ainda, nem que seja por um dia.
Bjos daqui e volta sempre.
Eugénio

1:48 PM  
Blogger Pierrot said...

Dizeres que ficaste sem palavras, é suficiente para mim.
Gracias Dafne e volta sempre.
Bjos daqui
Eugénio

1:49 PM  
Blogger Pierrot said...

Bê, sê bem vinda pois este espaço também é teu.
Não importa como cá chegaste.
Importa sim é que estás por aqui e que gostaste.
Este humilde blog está aqui para isso.
Volta sempre e bjos daqui
Eugénio

1:50 PM  
Blogger RealSmile said...

Amar é deixar de ser o “Eu”
Sem ter saudades pelo que morreu
E passar a ser o “Nós”
Dois corpos, duas mentes, e duas almas
Que se transportam com uma só voz.
----
Amei * Parabéns!

2:02 PM  
Blogger Pierrot said...

É verdade Realsmile.
Têm retirado uns quantos versos para os elegerem como os mais queridos. E eu que não consigo dizer que gosto mais de uns do que de outros.
Diria que num dia sinto mais uns e noutro, outros.
Fiz sentido não?
Bjos daqui e gostei de te ver por cá.
Eugénio

4:33 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home